Sua Saúde

A glândula da tireoide é um órgão pequeno, mas seu impacto é grande.

Fertilidade

DOENÇAS DE TIREOIDE E FERTILIDADE

Os hormônios químicos produzidos pela tireoide interagem com outros hormônios, principalmente os reprodutivos.1 O funcionamento normal da tireoide ou a reposição adequada de seus hormônios são fundamentais para a ovulação, a implantação de óvulos e a manutenção de uma gravidez saudável.1


Sobre problemas de tireoide e fertilidade

Embora a infertilidade possa ter diversos fatores como causa, o funcionamento insuficiente da tireoide também pode resultar nela, especialmente se a doença se apresentar na sua família.1 Quando o distúrbio da tireoide for tratado, os problemas de fertilidade devem ser resolvidos, caso a tireoide seja a única causa da condição.1

Conheça os fatos

Os hormônios produzidos pela tireoide interagem com outros hormônios, especialmente os sexuais.1 A quantidade certa de hormônios desta glândula é necessária para o funcionamento normal dos testículos nos homens e dos ovários nas mulheres.1 Um excesso (hiperatividade) ou insuficiência (hipoatividade) desses hormônios pode afetar negativamente as fertilidades masculina e feminina.1 O funcionamento ideal da tireoide não apenas é benéfico para a saúde dos pais – mas também para a saúde do bebê.2 Níveis insuficientes destas substâncias são causa de problemas de fertilidade, aumentam o risco de aborto espontâneo, de parto prematuro e outras complicações, podendo também afetar o desenvolvimento cerebral do feto, presentes também no caso de hipotiroidismo.2 A infertilidade masculina é causa de um terço da incapacidade de casais em engravidar, enquanto um terço dos casos se relacionam a causas femininas e o restante relaciona-se a ambos os gêneros ou nenhuma identificável.3

Se você tentar engravidar sem sucesso por mais de um ano, peça ao seu médico que verifique o status de seus hormônios da tireoide antes de iniciar outros procedimentos médicos.3 Se eles forem a causa da sua infertilidade, controlá-la pode restaurar sua fertilidade e reduzir o risco de complicações de saúde.1

Um simples exame de sangue, de início, pode detectar a quantidade de hormônios da tireoide (tiroxina e triiodotironina) produzido.4 Seu médico será capaz de dizer rapidamente se você tem hipotireoidismo ou hipertireoidismo.

Peça um exame se:

  • Você tentou engravidar sem sucesso por mais de 12 meses3
  • Você teve dois ou mais abortos espontâneos3
  • Você tem ciclos menstruais irregulares3
  • Você tem um histórico familiar de infertilidade
  • Você tem uma contagem baixa de esperma ou um histórico de problemas nos testículos, na próstata ou de ordem sexual3

Como os hormônios da tireoide afetam a fertilidade masculina

Hormônios da tireoide, que antes não eram tidos como causa da infertilidade masculina, agora estão sendo reconhecidos por seu papel importante, por exemplo, na produção de esperma.1 A boa notícia: a correção destes distúrbios pode recuperar a fertilidade em homens.1

A tireoide hiperativa

Se a sua tireoide produz e libera hormônios em excesso em seu fluxo sanguíneo, você tem hipertireoidismo.4 Homens podem desenvolver hipertireoidismo por diversos motivos, incluindo a doença de Graves, medicação excessiva com hormônios para o tratamento do hipotireoidismo e a presença de nódulos ou de uma tireoide inflamada (conhecida como tireoidite).4 Ao acelerar o metabolismo do seu corpo, o hipertireoidismo pode resultar em diversos sintomas diferentes, alguns dos quais podem ser confundidos com nervosismo devido ao estresse.4

Se você tem problemas de fertilidade e alguns dos sintomas de hipertireoidismo (é improvável que você desenvolva todos), você deve procurar seu médico, especialmente se a sua família apresentar um histórico de doenças de tireoide.4

A tireoide pouco ativa

Se a sua tireoide produz hormônios insuficientes, você tem uma deficiência nesta glândula, ou hipotireoidismo.5 As causas mais comuns do hipotireoidismo são a falta de iodo e a doença de Hashimoto – uma doença autoimune que progressivamente destrói a sua tireoide.5 Esta deficiência desacelera o seu metabolismo. O funcionamento insuficiente dela é frequentemente associado a uma libido reduzida e disfunções eréteis; além disso, ele tem um efeito adverso na formulação e estrutura do esperma, o que pode causar infertilidade.1

Se você tem problemas de fertilidade e alguns dos sintomas de hipotireoidismo, você deveria informar ao médico os sintomas.

Como os hormônios da tireoide afetam a fertilidade feminina

Os hormônios da tireoide interagem com os reprodutivos na mulher (estrogênio e progesterona) para preservar o funcionamento normal dos ovários e a maturação do óvulo (oócito).1 Se a sua tireoide liberar hormônios em excesso (hipertireoidismo) ou insuficientes (hipotireoidismo), o equilíbrio dos hormônios reprodutivos pode ser afetado negativamente,1 o que resulta em problemas de fertilidade relacionados à tireoide como distúrbios de ovulação, períodos menstruais irregulares e fertilidade reduzida.1 Uma vez que doenças da tireoide são um distúrbio endócrino comum em mulheres em idade fértil, a primeira coisa que você deve fazer ao encontrar dificuldades para engravidar é pedir exames da sua tireoide, especialmente se houver histórico na família desse tipo de doença.4

A tireoide hiperativa

O hipertireoidismo é 10 vezes mais frequente em mulheres do que em homens6 e pode fazer com que uma mulher tenha dificuldades não só para engravidar, mas como também para manter a gravidez.1 O hipertireoidismo ocorre quando sua tireoide libera quantias excessivas de hormônios no fluxo sanguíneo.4 O motivo mais comum para o hipertireoidismo em mulheres jovens é a doença de Graves, um distúrbio autoimune no qual anticorpos incorretamente atacam a tireoide, o que estimula a glândula a produzir hormônios em excesso.4 Se você apresentar perdas de peso inesperadas, isso também pode afetar suas chances de engravidar.3

Se o hipertireoidismo for a razão da sua infertilidade, o tratamento adequado pode ser realizado com um hormônio estimulador da tireoide (TSH) em um nível ideal (o TSH estimula a tireoide a produzir hormônios) para corrigir o distúrbio.1 Se você estiver com o nível correto de TSH mas ainda encontrar problemas para engravidar, você deve consultar um endocrinologista especializado em distúrbios reprodutivos. Ver também www.fertilidadenomeutempo.com.br.

A tireoide pouco ativa

Se você tiver um histórico familiar de doenças da tireoide ou qualquer doença autoimune, você pode ter um risco elevado de sofrer de hipotireoidismo.7 Se a sua tireoide produz poucos hormônios, os seus níveis de TSH irão aumentar para estimulá-la a preencher o que falta. Níveis elevados de TSH foram observados em cerca de 5% dos casos de gravidez.1

Mulheres hipotireoidicas podem ter sangramentos menstruais pouco frequentes e leves, nenhum ciclo menstrual ou ciclos irregulares devido a problemas na ovulação.1 A prevalência de doença autoimune da tireoide é maior em pessoas com síndrome do ovário policístico (SOP)8, uma condição que causa cistos nos ovários e pode levar à infertilidade ou complicações na gravidez.9

Tratamento para infertilidade relacionada à tireoide

Se você tiver hipotireoidismo, a sua tireoide produz hormônios insuficientes.7 Se este for o caso, você pode simplesmente ter que tomar uma medicação apropriada diariamente.7 O tratamento pode normalizar irregularidades menstruais nas mulheres, anormalidades de esperma e disfunção erétil nos homens e ainda restaurar a fertilidade.1

Se você tiver hipertireoidismo, o tratamento será ajustado conforme a causa específica e pode incluir medicação, radioiodoterapia ou cirurgia.10 Nas mulheres, a aplicação de tratamento com iodo radioativo antes da gravidez geralmente elimina a necessidade de medicamentos anti-tireoidianos. Uma mulher deve esperar 4-6 meses após a radioiodoterapia antes de começar a tentar engravidar.11 Homens que passaram por radioiodoterapia devem esperar 3-4 meses antes de tentar engravidar sua parceira.11

Observação: Se você tem uma função de tireoide “normal” ou seus níveis de TSH e hormônios da tireoide forem regulados por tratamento e você ainda não engravidar, consulte um especialista em fertilidade para obter conselhos e tratamento adicional. Ver também www.fertilidadenomeutempo.com.br.

  1. Krassas GE, Poppe K, Glinoer D. Thyroid function and human reproductive health. Endocr Rev 2010; 31: 702–755.
  2. NIDDK. Pregnancy & Thyroid Disease. Available at: https://www.niddk.nih.gov/health-information/endocrine-diseases/%20pregnancy-thyroid-disease. Last accessed February 2022.
  3. Mayo Clinic. Infertility. Symptoms and causes. Available at https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/infertility/symptoms-causes/syc-20354317. Last accessed February 2021
  4. American Thyroid Association. Hyperthyroidism. Available at http://www.thyroid.org/wp-content/uploads/patients/brochures/Hyper_brochure.pdf. Last accessed April 2022
  5. NHS Choices. Underactive thyroid (hypothyroidism) — causes. Available at http://www.nhs.uk/Conditions/Thyroid-under-active/Pages/Causes.aspx. Last accessed April 2022
  6. Vanderpump MP. The epidemiology of thyroid disease. Br Med Bull 2011; 99: 39–51.
  7. American Thyroid Association. Hypothyroidism: a booklet for patients and their families. Available at http://www.thyroid.org/wp-content/uploads/patients/brochures/Hypothyroidism_web_booklet.pdf. Last accessed April 2022
  8. Poppe K, Velkeniers B, Glinoer D. Thyroid disease and female reproduction. Clin Endocrinol (Oxf) 2007: 66: 309–321.
  9. Hormone Health Network. Polycystic ovary syndrome (PCOS). Available at http://www.hormone.org/diseases-and-conditions/womens-health/polycystic-ovary-syndrome. Last accessed February 2017
  10. American Thyroid Association. Hyperthyroidism. 2014. Available at http://www.thyroid.org/wp-content/uploads/patients/brochures/ata-hyperthyroidism-brochure.pdf. Last accessed April 2022
  11. Bahn Chair RS, Burch HB, Cooper DS et al. Hyperthyroidism and other causes of thyrotoxicosis: management guidelines of the American Thyroid Association and American Association of Clinical Endocrinologists. Thyroid 2011; 21: 593–646.

BR-NONE-00027/Abril-2022

Data de elaboração: Março 2018. Data da revisão: Abril 2022